quinta-feira, 30 de julho de 2009

A Relação entre a Música Gospel Contemporânea e o Canto Gregoriano Medieval.

  • O que é Canto Gregoriano? Até o século III a língua usada nas cerimônias de culto era o grego. E todos os fiéis participavam dos cultos cantando e alguns tocando instrumentos. Neste período a igreja cristã cantava em seus cultos os salmos, herança proveniente do culto judaico, seguidos depois pelos canticos que surgem naturalmente dentro da igreja.

  • A partir do século V quando a igreja cristã deixou de ser igreja perseguida para ser a religião oficial do impero Romano, o latim se tornou a língua oficial do culto Romano. Mas os cultos ainda não eram padronizados liturgicamente, almejando essa unificação em todos os lugares, a igreja Romana tratou de desenvolver um estilo único e criar uma escritura musical exata. “Para isto fundou a "Schola Cantorum", em Roma, onde os padres-compositores deveriam estudar.
  • A partir dessa iniciativa um coro profissional passou a exercer todas as funções musicais nas cerimônias de culto da igreja. E os Instrumentos não eram mais permitidos, pois foram considerados pelo clero, como terrenos ou demoníacos, enquanto a voz humana foi valorizada por ser uma criação divina. Mesmo assim, alguns instrumentos eram utilizados, com ou sem autorização dos religiosos, para sustentar a correta afinação do coro.
  • Em função dessa normatização surge o canto gregoriano, o qual após muitos debates, foi oficializado como parte da missa romana no inicio do século VII.”
  • O Canto Gregoriano tem sua denominação provinda do papa São Gregório Magno, que nasceu no ano de 540 e governou a Igreja de 590 a 604. Vamos lembrar que a principal igreja neste período era a igreja Romana. O papa “Gregório Magno”, então regulamentou o canto litúrgico, deu uniformidade à sua prática em toda a Igreja. O Canto Gregoriano era escrito com notação quadrada, sem compassos nem valor de tempos definidos e cantado em forma de melísma.
  • Analisando este estilo musical quero citar algumas de suas principais características.
  • 1. O Canto gregoriano tem pouca preocupação com o entendimento da letra. Apesar de serem palavras cantadas e extraídas das escrituras, as melodias dificultam a compreensão daquilo que esta sendo cantado. Pois as melodias são tão longas que no final das palavras torna-se difícil identificar o que está sendo cantado. Poderíamos exemplificar o que estou falando usando a palavra “Cristo” que em uma música Gregoriana ficaria mais ou menos assim, “Criiiiiiiiiiiiiiiiiiisto”, ou seja, no final da pronuncia os fiéis já não sabem mais o que esta sendo cantado.
  • 2. O canto gregoriano é entendido como uma relação transcendente entre o homem e Deus, por isso, não precisava ser entendido pela comunidade, precisava ser sentido por ela.
  • 3. Com o canto gregoriano a música foi tirada do povo e transferida para o clero. A comunidade então deixa de participar do culto através dos cânticos e passa agora assistir as apresentações.
  • 4. Com o canto gregoriano a música deixou de ser cantada na língua do povo para ser cantada no latim. Dificultando ainda mais a compreensão dos fiéis.
  • Qual a relação entre o canto gregoriano e a música gospel contemporânea.
  • 1. A idéia gospel atual da relação entre a música e o sagrado é semelhante ao canto gregoriano. A música deixou de ser uma expressão de adoração e louvor para se tornar um veiculo que conduz aqueles que estão cantando a outro patamar de espiritualidade. Por isso é comum observamos que algumas músicas gospel usam expressões como: “Quero ir mais fundo”, “leva-me mais longe” “Quero subir mais alto” “Quero me embriagar” “Quero mergulhar” “Quero sentir, quero tocar, quero ver” etc.
  • 2. Ênfase na melodia e não na letra, há inúmeros cânticos apenas com uma palavra ou duas, três palavras, mas que são repetidas até quase a exaustão. Exemplificando o que estou falando temos à música “Jesus”, cantada por Asaph Borba. Você pode não acreditar, mas a letra da música se resume em uma única Palavra. “Jesus”, a qual é cantada (14 vezes) com entonação diferente. Poderia citar muitas outras. Mas estas é suficiente para ilustrar o que estou falando Normalmente, essas músicas são cantadas varias vezes, ou seja, a música que já é repetitiva em suas frase e palavras, se tornam ainda mais repetitivas, porque são cantadas várias vezes, dependendo da “inspiração” do cantor.
  • 3. A música gospel tem buscado atingir a emoção e não a razão. As melodias são emotivas e cantadas de forma chorosa. Melodias com frases longas, a exemplo do canto gregoriano, sem falar na utilização de efeitos sonoros para estimular a emoção, exemplo do que estou falando a utilização de som de àgua em algumas músicas.
  • 4. “Profecias” e novas “revelações” no meio das músicas para transmitir a ideias de espiritualidade para os ouvintes. E ainda músicas que são cantadas como se Deus estivesse falando ao homem. Exemplicando o que estou falando posso citar a música “Preciso de Ti” do “Ministério Diante do Trono”, que após ser cantada nos shows abre espaço para que uma “profetiza” da Igreja Batista da Lagoinha possa trazer uma nova revelação para o povo, eu só não entendo porque somente nesta música Deus revela seus mistérios a esta profetiza? Outro exemplo é a música “Jardim Fechado”, do mesmo ministério, a letra trás a idéias de que o próprio Deus esta falando com o seu povo “Eu ti farei, como um jardim fechado, regado e cuidado pelo meu Espirito...”. Tudo isso para induzir o ouvinte a uma espiritualidade emocional.
  • 5. Com o movimento gospel a música deixou de ser parte da igreja, para ser cantada por um coro profissional. Por isso o culto se tornou um show, um espetaculo a parte, perdendo a sua essência e simplicidade. Se a música for animada o culto foi bom, se a musica for cantada apenas na voz sem acompanhamentos o culto foi frio e consequentemente não foi legal. A igreja já não canta mais.

  • Conclusão: A conclusão que chegamos é que a música evangelica está se tornando um mantra espiritual. Onde a razão tem sido ignorada completamente, ênfase é dada a emoção. Como consequência não se reflete mais sobre o que está sendo cantado. E por causa das emoções se faz no culto as coisas mais estranhas em nome de Deus. A verdade é que a música gospel virou sinônimo de comércio para enriquecer cantores que não tem nenhum compromisso com Cristo e nem com sua Palavra. E o leigo já não canta mais na igreja, pois a igreja tem profissionalizado a sua musica.

3 comentários:

Anônimo disse...

uma teorica muito boa^^
valeuu aiii

Altair disse...

Vocês estão generalizando as igrejas evangélicas e os cantores evangélicos. As igrejas tradicionais possuem suas harpas cristãs com as letras tradicionais... assim como a harpa cristã da Assembléia ou da Congregação Cristã. Os cantores utilizam de letras com até mesmo heresias, com letras contraditórias a bíblia. Não sendo registradas e aceitas pela igreja! Altair Avancini.

Anônimo disse...

Eu achei interessante a abordagem, realmente muitas verdades, entretanto não creio que se possa generalizar, sou um ministro de louvor, sei como é difícil levar uma vida correta de adoração e também que a Bíblia diz para fazermos um culto racional, então quando sou chamado a conduzir a igreja não tento fazer com que as pessoas (a igreja) suba, mas sim que Deus seja atraído pra nos ouvir cantando para Ele, tento fazer o melhor que posso pro Senhor.
Quanto a questão das letras acredito que todos nós cantores da igreja devemos analisar com cuidado, e compreender o que estamos dizendo ao pai, ou igreja o louvor também pode ser uma arma para libertação, devo ressaltar que a grande maioria dos ministros da igreja não são profissionais, acho que aqueles que usam da fé e do coração das pessoas pra enriquecer não podem ser chamados de ministros do Pai, falo isso não generalizando, pois desconheço o coração de cada um deles. Lázaro Ramon